social

Français
Pt-br
English Español Россия Deutsch Italiano 日本語 中国语文
bing twitter yahoo
Siga-nos =>

Publicidade

25 de novembro de 2013

Auto Retrato

Desenho a lápis - Auto Retrato 2010

20 de novembro de 2013

Africanidade

Nativa careca

Yalorixá


Mulher Afro-style

Como Desenhar o Rosto


Como Desenhar Rosto de Mangá por VisuartOnLine Aqui está mais um tutorial completo que mostra todos os passos para se desenhar um rosto, ideal pois aqui estão expostas as bases necessárias para seu aperfeiçoamento.

Aulas de Pintura e Desenho

ARTE - No Memorial Câmara Cascudo, alunos aprendem técnicas do desenho e da pintura figurativa
Novas tintas, cores e desenhos para a trajetória do artista plástico Jomar Jackson: seu tradicional atelier, que há mais de 12 anos forma artistas e revela talentos potenciais na capital potiguar, está completando um ano em sua nova casa, o Memorial Câmara Cascudo, no centro. Foi um verdadeiro périplo até que o atelier deixasse seu endereço na Cidade de Criança, onde tudo começou, e enfim encontrasse um espaço ideal para suas atividades. “É a melhor instalação que já encontramos até hoje”, afirma Jackson.

O prédio neoclássico da Cidade Alta, construído no século XIX, cedeu duas salas ao atelier de Jomar Jackson – uma para pintura, outra para desenho. Segundo o artista e professor, o material usado para as aulas está melhor exposto e arrumado, ao alcance dos alunos. “Os modelos que usamos para dar aula estão acomodados, como vasos, formas geométricas e estátuas, estão agora dispostos da melhor forma para os alunos. É o tipo de coisa que melhora o rendimento e eleva a qualidade das aulas”, explica. Outro ponto, é que a arquitetura do prédio permite aberturas de luz que dispensam a iluminação elétrica. “A gente faz qualquer tipo de luz projetada. Vamos até às 17h sem acender nenhum tipo de luz”, completa.

São detalhes importantes para quem lida com pintura e desenhos, mas que há certo tempo estavam tirando a precisão dos traços de Jomar Jackson no papel. Começou com a necessidade, cada vez mais urgente, de tirar o atelier da precária estrutura da Cidade da Criança. Situação que piorou com as fortes chuvas e conseqüente enchentes que vinham tomando a área. As tintas e telas de Jackson foram então para o Palácio “Potengi” da Cultura, onde ficou de maio a junho do ano passado. O prédio foi retomado para abrigar o governo do Estado. O atelier havia ficado novamente sem chão.  

Até que velhos laços de amizade foram reatados para dar um novo rumo à situação. Daliana Cascudo, neta de Câmara Cascudo, cedeu gentilmente dois ambientes do memorial para abrigar o atelier. A ligação de Jomar Jackson com a família Cascudo não começou com essa instalação – vem de bem mais longe. Jackson freqüenta a casa do folclorista desde os 13 anos de idade. Amante das artes, Cascudo sempre mostrava algo de seu acervo, fosse livros ou peças, ao adolescente fascinado. “Cascudo fez a abertura da minha primeira exposição, em 1964, na Galeria do Município, um prédio maravilhoso que infelizmente não existe mais”, conta. Daliana, que Jackson conhece desde que nasceu, deu o acabamento final no novo quadro do atelier.

O atelier já retomou o ritmo normal de suas aulas. Recebe cerca de 60 alunos, de idades que vão dos 9 aos 90 anos. Não há períodos e turmas; o curso começa a partir da inscrição. Aos iniciantes, a primeiras aulas são de senho grafite sobre papel; segue-se para pintura, que vão de paisagens, animais até a figura humana, com modelo vivo posando. O curso de desenho dura sete meses, e o de pintura, de quatro a cinco anos. Jomar continua também sua metodologia: “Começar na prática, com pouca teoria. É o tipo de coisa que se deve ir além do livro”. Vários alunos do pintor já arrebataram prêmios e concursos ao longo dos anos. 
desenhos 3d, wwwdesenhos, desenho coração, aprender a desenhar, desenhos terra tv, desenhos a lapis, desenho do picapau, desenhos carnavalescos,

Artefinal: Lindas pinturas hiper-realistas de Joongwon Jeong com tinta acrílica








Posted: 09 Jul 2013 03:02 PM PDT
Um dos comportamentos mais equivocados quando iniciamos na arte de pintar é ter ansiedade pra conseguir pinturas de uma realidade bastante próxima do real. Alguns recorrem a técnica mais avançada querendo aprender tudo muito rápido, e isso requer tempo e dedicação. Não acontece da noite pro dia. Nada mais justo neste momento do que ter cautela. Perseverando chegaremos lá.

Com Joongwon Jeong não foi diferente. Podemos observar claramente que seus desenhos esboçados nos quadros são super bem feitos. Talvez alguns nem necessitassem adicionar as cores das tintas devido a perfeição, porém, vale apena salientar que o aprendizado é constante. E não vale somente saber teoria das cores e tal, pra pintar é preciso está em constante sintonia com o que vem aprendendo. Como fazer essas lindas pinturas?

Pra alguns a inspiração vem de Michelangelo, Ticiano e Sebastian krüger como é o caso deste pintor sul coreano, mas observar também é válido.

Pra esse amante das artes suas obras torna-se um pouco mais complicadas por causa do uso da tinta acrílica sobre tela. Por ser uma tinta mais versátil e possibilitar vários efeitos aquareláveis e de veladura, ele deve ter escolhido ela; porém, além dessas propriedades características, é necessário que o fazer seja rápido também. Por que a secagem é muito mais rápida do que a tinta óleo, por exemplo.

Embora ele faça isso com maestria e gosta do resultado da sua técnica. Nada como uma boa dica de desenho para desenvolver um excelente trabalho, muito bem estruturado por sinal. Na realização de pinturas hiper-realistas – sem esse talento, fica quase impossível alcançar esse nível de realismo nos desenhos.

Devido algumas peculiaridades nestas lindas pinturas que podem ser admiradas nas imagens abaixo, várias exposições coletivas e individuais renderam ao artista certo reconhecimento principalmente nas redes sociais e na cidade de Seul.

Lindas pinturas hiper-realistas
Lindas pinturas hiper-realistas
Lindas pinturas hiper-realistas
Lindas pinturas hiper-realistas
Lindas pinturas hiper-realistas
Artefinal

Grafite, giz branco e carvão bastam para um Desenho Hiper Realista de Paul Caden

Paul Cadden: carvão e giz branco


O artista escocês Paul Cadden utiliza apenas grafite, giz branco e carvão para criar seus retratos hiper-realistas. Ele dá destaque para os elementos mais sutis das cenas, do brilho nas gotas de água escorrendo às pequenas rugas que marcam o rosto de um idoso.

hiperrealismo Paul Cadden

Paul Cadden hiperrealismo


19 de novembro de 2013

Feras criadas na ponta da Lapiseira

Paul Lung


Paul Lung, um artista de 38 anos de Hong Kong, faz desenhos tão incríveis que seus amigos começaram a duvidar que as obras não eram fotografias. O que é mais impressionante é que tudo que ele precisa são um grafite simples 0,5 mm, e uma folha sulfite A4!

Paul Lung hiperrealismo

Paul Lung hiperrealismo

Paul Lung hiperrealismo

Do Sonho a Realidade do Hiper Realismo no Desenho

Henrik Aarrestad Uldalen: sonhos em realidade


É difícil acreditar que o norueguês Henrik Aarrestad Uldalen seja um autodidata. Ele cria obras hiper-realistas envoltas em uma aura mística, que remetem aos sonhos. As figuras desenhadas podem estar flutuando, voando ou nadando em grandes espaços vazios.

Henrik Aarrestad Uldalen

Henrik Aarrestad Uldalen

Henrik Aarrestad Uldalen

Hiper Realismo com Caneta Esferográfica

Juan Francisco Casas: só caneta Bic


Quem nunca rabiscou com uma caneta Bic? O espanhol Juan Francisco Casas, de 34 anos, cria desenhos tão realistas usando apenas as famosas canetas que parecem fotografias.
Tudo começou há seis anos, quando Casas começou a desenhar seus amigos divertindo-se. Um ano depois, o artista decidiu enviar um dos seus desenhos a uma competição nacional de arte – apesar de achar que os jurados, provavelmente, achariam que aquilo era piada. Ele levou o segundo lugar.
Seus trabalhos incríveis, alguns com vários metros de altura, consomem 14 canetas esferográficas cada, e podem levar até duas semanas para ficar prontos.

hiperrealismo Juan Francisco Casas

hiperrealismo Juan Francisco Casas

Juan Francisco Casas hiperrealismo

Juan Francisco Casas hiperrealismo

Desenho Hiper Realista > Alyssa Monks: quando o realismo descontrói a si mesmo

“Quando comecei a pintar o corpo humano, me tornei tão obcecada com ele que precisava do máximo de realismo possível. Persegui realismo até que chegou a um extremo, e começou a desconstruir a si mesmo”, explica Alyssa Monks, pintora de Nova Jérsei de 35 anos. “Estou explorando a possibilidade e potencial de representação, onde a pintura figurativa e abstrata encontram-se, onde coexistem.”
E como fazer o abstrato e o hiper-realismo coexistirem? Alyssa utiliza-se de “filtros” que insere em suas pinturas – como a presença de água, vidro, vapor – que distorcem as figuras que representa.
Alyssa Monks

Alyssa Monks

Desenho Hiper Realista além do Foto-Realismo

Seja pintando retratos, paisagens ou objetos, artistas criam obras tão realistas que são de tirar o fôlego. Conheça o trabalho desses mestres do hiper-realismo, e surpreenda-se.

Hubert de Lartigue

Fotografia? Não.
O hiper-realismo é derivado do fotorrealismo, e teve sua origem na segunda metade do século XX. Como o próprio nome indica, o realismo é levado ao extremo, ou seja, acrescentam-se  muitos detalhes às obras de pintura, desenho ou escultura, para que esse se aproxime o máximo possível da realidade.
Os hiper-realistas utilizam-se das cargas sociais ou emocionais de suas obras, contextualizando-as de modo a criar narrativas singular e cheias de poesia.
É importante notar o componente paradoxal do hiper-realismo: apesar das obras aproximarem-se da realidade a ponto de serem quase idênticos, não são a realidade. Esse simulação de realidade cria a ilusão de uma nova realidade, mais complexa e, principalmente, mais subjetiva

publicidade



Busca Personalizado

Não achou o que procura busque aqui
Custom Search
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...